Jornal JF no mundo
Notícias de Juiz de Fora e do mundo
23
Setembro
Juiz de Fora
Domingo


 

Digite o conteúdo da pesquisa:


Tecnologia digital nas escolas: a resposta da Arquitetura
20-06-2018
Arquitetura e Urbanismo

"Considerando a vertiginosa revolução tecnológica via internet, torna-se fundamental, uma arquitetura que trabalhe em consonância com os recursos injetados na metodologia educacional materializada pelos celulares, tabletes e computadores.


 


Ressalte-se, contudo, que somente 31% das escolas públicas brasileiras estão conectadas e que a absoluta maioria dos professores e gestores públicos não está preparado para uma atuação ajustada ao novo ambiente acadêmico que se impõe. Para ilustrar essa situação, pode-se afirmar que um centro cirúrgico atual seria totalmente estranho para um médico de 200 anos atrás, o que infelizmente, não ocorreria com um professor daquela época ao se deparar com uma sala de aula de hoje. Ao contrário se sentiria muito à vontade (Patrícia Lins e Silva - palestra TED, set 2014). Portanto, a semelhança com o passado ainda é muito grande.


 


O rompimento com a estrutura arquitetônica tradicional precisa ser consequência de uma nova geração de professores que atuem como organizadores, pesquisadores, estimuladores e que interajam entre si criando uma sinergia alinhada com os novos paradigmas que norteiam a escola do século XXI. Essa nova escola passa a ser um local de trabalho coletivo, de cooperação e de estudo, com utilização de tecnologias e métodos de ensino inovadores. Esse espaço demanda uma arquitetura com alto grau de flexibilidade, capacidade de interação e forte viés de sustentabilidade.


 


O contato com a natureza é premissa decisiva:  iluminação e ventilação zenitais, jardineiras de maior porte dentro da escola inclusive com arbustos e árvores, salas de aula infantis abrindo para pequenos pátios com elementos naturais e outras soluções nessa linha. Por outro lado, diante da inadequação da maioria de nossas escolas públicas – situação que não se muda de uma hora para a outra – é preciso propor reformas arquitetônicas que propiciem espaços de múltiplo uso e flexibilidade de instalações que permitam a atualização tecnológica necessária.


 


Na verdade não se pode mais pensar numa escola acabada, fechada em si mesma. E sim num “arcabouço” que vai se metamorfoseando com o tempo em sincronia com as demandas tecnológicas sempre mutantes e sempre de forma mais rápida. Enquanto isso não acontece, se a sociedade organizada não se mobilizar em busca de recursos humanos e financeiros, a tendência é que a situação perdure por muito tempo ou que se modifique lentamente como tudo que acontece no Brasil. Dificilmente, o Poder Público resolverá o problema sozinho, pois além de uma nova arquitetura, impõe-se reestruturar a metodologia de ensino e requalificar professores que passam a atuar como organizadores do aprendizado com base na tecnologia digital e no conhecimento que são disponibilizado na Internet. Tudo isso custa muito caro e ainda tem que vencer uma muralha burocrática e política para emergir do outro lado.


 


Por mais que a arquitetura possa contribuir – e tem contribuído bastante - a raiz do problema se aninha na urgente mudança de um amontoado de paradigmas que norteiam há séculos o ensino público. E mesmo onde as melhores intervenções arquitetônicas foram bem sucedidas no país, o quadro negro permaneceu lá, seja ele branco ou verde. Ou uma tela onde se projeta o mesmo conteúdo congelado. Esse modelo do professor falando e aluno ouvindo - segundo os estudiosos e pesquisadores mais atualizados - está comprovadamente falido uma vez que o aluno mudou completamente. Se fora da escola ele vive com o celular na mão – portanto em contato com o que há de mais atual - como imaginá-lo numa escola engessada numa estrutura física medieval e metodologias de ensino que pouco se diferenciam de dois séculos atrás? A arquitetura tem se desdobrado para atender a uma demanda indefinida e mutante. Mas certamente a vida nas escolas tem melhorado muito com a sua presença".




                             Cláudio Mafra, sócio-diretor da Mafra Arquitetura e membro do Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU-BR)

 

Fotos

 

Comentários
Todos os comentário são validados.
Seus comentários serão exibidos somente após a validação.
Nome:
E-mail:
Comentário:
Desejo receber notícias.
 

 






Links úteis
Globo Imóbeis Ltda

 




Jornal JF no mundo
Notícias de Juiz de Fora e do mundo
Barbosa Lima, 135- Centro
Juiz de Fora-MG 36.010-050
E-mail: jornaljfnomundo@gmail.com
Telefone: (32) 3213-0216 ou (32) 99967-8526
Expediente
23
Setembro
Juiz de Fora