Jornal JF no mundo
Notícias de Juiz de Fora e do mundo
13
Dezembro
Juiz de Fora
Quinta


 

Digite o conteúdo da pesquisa:


Reações ao pedido de impeachment de Dilma dividem opiniões
03-12-2015
Política

O anúncio de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara dos Deputados, de abrir o processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff causou um verdadeiro tsunami não só no meio político como também em toda a sociedade. O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello classificou de “inimaginável” que Cunha tenha tomado a medida como retaliação à decisão do PT de votar pelo prosseguimento do processo de cassação de seu mandato na Comissão de Ética. "Não se pode atuar dessa forma. A atuação deve ser independente”, afirmou o ministro.

Marco Aurélio, que já defendeu a renúncia de Cunha do comando da Câmara por causa das investigações do esquema de corrupção, minimizou a influência do peemedebista no processo. O ministro afirmou que o parlamentar apenas aceitou a tramitação do pedido de impeachment num gesto protocolar. “Ele não toca no processo. Quem tocará o processo será o colegiado. Não há esse poder do presidente da Casa receber ou não receber a notícia da prática que leva ao impeachment”, disse.

O senador e presidente nacional do PSDB, Aécio Neves (MG), afirmou que o partido recebeu com “absoluta naturalidade” a decisão do presidente da Câmara, segundo ele “ancorada naquilo que prevê a Constituição”. Pedindo prudência, o tucano, no entanto, discordou da tese de que a abertura do processo de impeachment seja um golpe. “Nós apoiamos a proposta do impeachment, isso não é golpe”, disse ele.

Aécio repetiu várias vezes que a Dilma “perdeu as condições de governar” e avaliou que caberá aos parlamentares, primeiro na Câmara, depois no Senado, “acolher o sentimento da população brasileira”. O parlamentar considerou como “extremamente consistente” a peça que deu origem ao pedido de impeachment – produzida por juristas como Miguel Reale Jr., ex-ministro do governo Fernando Henrique Cardoso, e Hélio Bicudo, um dos fundadores do PT. “O que existe neste momento é o sentimento da prudência para que o processo tenha o trâmite adequado e a presidente apresente suas justificativas.”O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), não quis comentar a decisão de Cunha. “”Não é prudente antecipar qualquer posição”, disse. Já o presidente do Solidariedade (SD), deputado Paulo Pereira da Silva (SP), o Paulinho da Força, não escondia a satisfação com o anúncio e lembrou que trabalhou “o ano inteiro pelo impeachment de Dilma”. Mas o deputado Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE), defensor ferrenho da cassação de Dilma abriu fogo contra Cunha, dizendo que assim como a petista, Cunha não tem condições morais de abri o processo.

Vingança

Da base de apoio ao governo petista, a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-SC) se manifestou nas redes sociais e chamou de “sentimento de vingança” a iniciativa de Cunha. “A decisão dele viola e rasga os votos dados por 53 milhões de brasileiros e pode representar a ruptura de nossa jovem democracia. Estamos assistindo a um golpe contra a democracia”, disse a senadora pelo Facebook.

Para o professor emérito da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Dalmo de Abreu Dallari, o PT não deve questionar o pedido de impeachment da presidente Dilma. “Nem é caso do governo questionar esse pedido. Ele deve ignorá-lo, já que não há base jurídica”, afirmou o jurista.

Os movimentos sociais favoráveis ao impeachment comemoraram e prometem convocar novas manifestações. “Este é um dia histórico, porque, finalmente, o pedido que vem da população está sendo atendido”, disse Rogério Chequer, porta-voz do Vem pra Rua. Ele ponderou que, embora pesem acusações contra Cunha, ele ainda é presidente da Câmara e, portanto, tem competência para tomar a decisão. “Esse pedido não veio de políticos, veio de um clamor popular e é isso o que importa,”  afirmou Chequer.

Líderes de movimentos sociais prometeram reagir nas ruas à tentativa de impeachment de Dilma. Líder do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), João Pedro Stedile, tachou como golpe a abertura do processo e disse que organizações de esquerda farão avaliações para definir como fazer pressão em favor da petista. “O povo brasileiro elegeu a presidenta e mais 27 de governadores. E todos têm direito de concluírem seus mandatos constitucionais.”

 

Fotos

 

Comentários
Todos os comentário são validados.
Seus comentários serão exibidos somente após a validação.
Nome:
E-mail:
Comentário:
Desejo receber notícias.
 

 






Links úteis
Globo Imóbeis Ltda

 




Jornal JF no mundo
Notícias de Juiz de Fora e do mundo
Barbosa Lima, 135- Centro
Juiz de Fora-MG 36.010-050
E-mail: jornaljfnomundo@gmail.com
Telefone: (32) 3213-0216 ou (32) 99967-8526
Expediente
13
Dezembro
Juiz de Fora