Jornal JF no mundo
Notícias de Juiz de Fora e do mundo
25
Maio
Juiz de Fora
Sexta


 

Digite o conteúdo da pesquisa:


MP ainda investiga interdição do Engenhão; denúncia pode mudar rumo
27-10-2017
Esportes
Procuradora Gláucia Santana aguarda manifestação do Tribunal de Contas Municipal para concluir o inquérito. Queixa apresentada pelo clube e investigação policial podem trazer à tona novos fatos.

MP ainda investiga interdição do Engenhão; denúncia pode mudar rumo


Paralelamente à denúncia do Botafogo que acusa o ex-presidente Maurício Assumpção de favorecer a Odebrecht com a interdição do Engenhão em 2013, o Ministério Público do Rio de Janeiro investiga o caso.


O órgão, que procura por indícios de danos ao patrimônio público, aguarda a manifestação do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro para concluir a investigação. Até o momento não foram encontradas ilegalidades. Mas um eventual inquérito policial baseado na denúncia feita nesta semana pelo Alvinegro pode mudar o rumo do caso.


De acordo com o Botafogo, a suspeita ocorre porque, em 2013, logo após a interdição, o clube conseguiu um empréstimo de R$ 20 milhões junto à Odebrecht "em condições suspeitas e com graves prejuízos ao Clube", segundo descreve a nota publicada no site oficial. A dívida em 2017 já passa dos R$ 35 milhões e foi cobrada somente em outubro deste ano.


À frente do caso desde o início do inquérito, em 2013, a procuradora estadual Gláucia Santana conversou com o GloboEsporte.com e explicou como andam as investigações. No início da investigação, ela chegou a descartar o benefício de terceiros com a interdição do estádio. Mas o inquérito policial pode mudar o rumo. Confira abaixo.


Estádio ficou mais de dois anos fechado para obras (Foto: André Durão)


Estádio ficou mais de dois anos fechado para obras.


Como está a investigação?


Falta pouco. Nós olhamos para supostos danos ao patrimônio público. Estamos analisando de quem foi a responsabilidade pelas falhas na obra da cobertura.


O termo de atendimento não gera nenhum custo ao poder público. A análise que falta para terminar a avaliação é a manifestação do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro, que também foi chamado para fazer o controle desse termo. O Consórcio Engenhão apresentou uma documentação que comprova que entrou com uma ação indenizatória contra o Consórcio original (RDR) para assumir os custos que teve com os supostos erros da RDR. Como isso já está judicializado, menos interesse tem o MP.


Investigação policial


Vamos acompanhar. Se houver na investigação policial algum esclarecimento, eu posso propor depois a improbidade. Nada impede que eu encerre e reabra a investigação caso surja um fato novo.


Prejuízo do Botafogo


Houve uma denúncia de que haveria tido um prejuízo para o Botafogo na captação de um patrocínio com a Caixa Econômica, por conta do “naming rights” do estádio. Isso não é de interesse público, não tem patrimônio público envolvido. Mas como houve o risco de a cobertura do estádio cair, resolvi instaurar o inquérito na época.


A interdição foi necessária?


É complicado. Eu tenho duas correntes que trazem pareceres de juristas e técnicos. Um diz que a interdição foi necessária, outro, não. Há uma série de questões técnicas de engenharia. O município tomou as providências, criou uma comissão. Confesso que do ponto jurídico tem pareceres de bons juristas a favor de um e de outro. O Consórcio RDR diz que não praticou erro. A Prefeitura diz que havia risco. Eu não consigo provar o desejo de fraude. Se isso surgir, posso rever minha posição. Ainda não é definitiva. Aguardo a resposta do Município.


Disputa judicial entre os consórcios


Como o meu olhar é voltado para o interesse público, e isso não houve na reforma, pouco me importa quem tem razão. Isso é uma discussão que está na Justiça. O Município já havia pago para a primeira empresa. O Consórcio Engenhão fez a obra e está cobrando do segundo. O Município simplesmente participa porque foi quem fez a concessão na origem. Mas agora uma empresa vai ressarcir a outra.


Não posso dizer que o município teve prejuízo. Eu não consigo comprovar dano, pois alguém está arcando com o prejuízo. É uma discussão contratual. Para eu entrar com improbidade, eu teria que provar o descuido com o patrimônio.

 

Fotos

 

Comentários
Todos os comentário são validados.
Seus comentários serão exibidos somente após a validação.
Nome:
E-mail:
Comentário:
Desejo receber notícias.
 

 






Links úteis
Globo Imóbeis Ltda

 




Jornal JF no mundo
Notícias de Juiz de Fora e do mundo
Barbosa Lima, 135- Centro
Juiz de Fora-MG 36.010-050
E-mail: jornaljfnomundo@gmail.com
Telefone: (32) 3213-0216 ou (32) 99967-8526
Expediente
25
Maio
Juiz de Fora